BAUERMALEREI – PINTURA CAMPONESA

Até bem pouco tempo não conhecia a pintura Bauermalerei. Viajei para o Rio Grande do Sul, Gramado e Canela, e sei que lá tem algumas pinturas nesse estilo, mas não nos atentamos para um objeto se não estamos focados nele. Assim, no decorrer de um curso de formação de professores que estava aplicando junto com outros profissisonais da educação, em Domingos Martins, tive o privilégio de saber um pouco da história dessa pintura e entender o quanto ainda temos que aprender e compartilhar com o outro.

As pinturas tem uma simetria no desenho e as cores vivas. A princípio, parece fácil, e realmente é, mas precisa de treino para fazer a “virgula”, como diz a coordenadora do Polo de Domingos Martins, Maria Aparecida Trarbach.

No curso de formação, pudemos presenciar a construção e criação de objetos com essa técnica, e os resultados realmente ficaram excelentes. Parabéns meninas, vocês arrasaram.

2012-12-08 15.56.10

pintura Bauer

pintura bauerpintura bauer

Abraço

Sonia Ferreira

Vai uma dica ai: Revolta da Vacina

Revolta da Vacina

Fonte da imagem: Publicado por Malu Lopes- Disponível em: http://maallulopes.blogspot.com/

A Revolta da vacina aconteceu entre 10 a 16 de novembro de 1902, no Rio de Janeiro. Ccomeçou por causa da campanha de vacinação obrigatória contra Varíola feita por Oswaldo cruz, no período republicano do Brasil.

Naquela época ( século XX) o Rio de Janeiro tinha muitos problemas urbanos, comoa  falta de saneamento básico, falta de limpeza nas ruas, despejo de resíduo em locais indevidos, por isso,  muitas doenças eram populares, como: tuberculose, sarampo, tifo, hanseníase, que geravam epidemias constantes. Algumas epidemias populares  que estavam se alastrando  era a febre amarela, varíola e a peste bubônica.

Por esse grande nível de doenças, o presidente da época Rodrigues Alves, ordenou ao prefeito Pereira Passos e ao médico Oswaldo Cruz a colocarem em prática um projeto sanitário para erradicar as doenças.

Então, foi colocada em prática  a reforma urbana, chamada de “BOTA BAIXO”  em lugares sujos e precários, demoliram os velhos prédios, e deram lugares para grandes avenidas e jardins, além de instalarem o saneamento básico e a limpeza da cidade. A população de baixa renda  foram obrigadas a sair de suas  casas a força,  o que as levou a se instalarem em morros e periferias, iniciando a formação das “grandes” favelas do Rio de Janeiro.

Naquela época,  Oswaldo cruz assumiu a  direção geral da saúde publica, criou brigadas mata mosquito, organizou grupo de funcionários para iram as casas desinfectar e exterminar o mosquito transmissor da febre amarela, também fez campanha de extermínio de ratos ( transmissores peste bubônica), desintectando a cidade com  raticida.

A população,  ao invés de estar do lado do governo, se revoltou contra essas medidas, como se descreve nesse trecho da manchete de um jornal. “ Tiros, gritaria, engarrafamento de trânsito, comércio fechado, transporte público assaltado e queimado, lampiões quebrados a pedradas. Destruição de fachadas de edifício públicos e privados, árvores derrubadas e o povo do Rio de Janeiro revoltado contra o projeto de vacinação obrigatório proposto pelo sanitarista Oswaldo cruz (14 novembro de 1904).”  Como se pode ver,  não teve uma resposta boa da população, que no dia 10 de novembro começou manifestação estudantil, que foi tomando maiores dimensões, e  no dia 12 seguinte,  houve  outra manifestação em frente a ao Palácio do catete ( a sede do Governo federal da época). A população travara um batalha contra o governo.

A reação popular fez com que o governo desse uma parada com a obrigatoriedade da vacina e declarou estado de sítio no dia 16 de novembro, assim a rebelião pode ser contida. Muitas pessoas foram presas, depois de controlar a situação,  a obrigatoriedade foi feita novamente, e pouco tempo depois a varíola foi erradicada.

fontes (textos e imagens): http://vacinar.net/site/historia-da-vacina.php,http://maallulopes.blogspot.com


(Por: Catharina)

# Vai uma dica ai : Oswaldo Cruz

Oswaldo cruz

Mais conhecido como Oswaldo Gonçalves  Cruz ( São Luiz do Paraitinga, 5 de agosto de 1873 – Petrópolis -11 fevereiro 1917). Foi um grande cientista, médico bacteoriologista, epidemologista e sanitarista, que marcou a história brasileira.


Um dos primeiros a estudar as moléstias Tropicais e de medicina experimental no Brasil.


Dirigiu a campanha contra febre amarela, estudou condições sanitárias do vale do rio amazonas da região estado de ferro madeira-Mamoré.

Fundou o instituto soroterápico nacional no bairro de Manguinhos, no Rio de Raneiro, que posteriormente se transformou no instituto Oswaldo Cruz, respeitado em vários países.

Histórico:

Nasceu no interior de São Paulo, fez faculdade de medicina na cidade dos pais,  Rio de Janeiro de 1887 a 1892. Já em 1896 foi estagiar fora do país, em Paris no Instituto Pasteur ( sendo discípulo de Emili Roux).  Em 1899 já estava de volta ao Brasil e organizou em sua cidade natal combate ao surto de peste bubônica em Santos, e outras cidades portuárias ao lado, mostrando para o governo que não havia medicação aquedada (soro) para ajudar a população, e a partir disso, propôs a criação de um instituto para fabricar o soro.


Com essa proposta de ignição para criação do instituto soroterapico federal, passou a dirigí-lo  a partir de 1902.


Em 1904, assumiu a direção geral da saúde pública e iniciou trabalhos para exterminar mosquitos ( “ Batalhões mata – mosquito”) e ratos transmissores de doenças. F icou conhecido por coordenar campanhas de  erradição da febre amarela e da varíola no RJ.


Em 1904,  fez outro feito muito importante, convenceu o presidente  Rodrigues Alves a decretar a vacina obrigatória, o que gerou um reboliço no povo, rebelião de populares e da escola militar. O povo considerava isso uma invasão a suas casas e a tomada de uma vacina forçada. Essa rebelião foi conhecida e  marcada como  Revolta da Vacina.


Dados em foco:

Na época era considerada uma das cidades mais sujas do mundo, porque boletins sanitários  relatam que a saúde pública em um mês visitou 14.772 prédios, havia tais descrições:

  • limpas -  2.091 calhas e telhados

  • 2.328 focos de larvas

  • 17.744 ralos

  • 28200 tinas

  • lavou 11550 caixas automáticas e registros

  • 3.370 caixa d’águas sujas

  • 173 sarjetas sujas

  • retirou

  • 6.559 baldes de lixo dos quintais de casas e terrenos

  • 36 carroças de lixo

  • Gastando 1.901 litro de petróleo.

Apesar de todos esses feito, ainda assim, ele foi apontado como inimigo do povo. Desse modo, podemos ver a hipocrisia humana, que o bombardeou em revistas, jornais, rádios e até em modinhas de carnaval. Esse ódio não chegou somente na expressão pela palavra, mas também houve outro fato a Revolta dos quebra- lampiões , em que a própria população saiu quebrando a cidade, por  ignorância.

Em 1909 foi homenageado por Carlos chagas, descobridor do protozoário  tripanossomade americana (causador da “doença de chagas”), batizando-o de “Trypanosomo cruzi” em homenagem Oswaldo cruz.

( fontes: texto e  imagem de Oswaldo Cruz: Disponível em:  http://sirinapxo.blogspot.com/)

(Por: Catharina)